Zé Pedro: Benfica lembra que guitarrista "foi um lutador até ao final"

Valeria Vaz
1 Декабря, 2017

Zé Pedro, dos Xutos e Pontapés, morreu esta quinta-feira, aos 61 anos, vítima de doença prolongada.

Zé Pedro era uma das figuras mais admiradas e acarinhadas do panorama musical português.

O post foi acompanhado por uma foto do guitarrista-ritmo dos Xutos, peça essencial na formação e na evolução da banda, no seu "habitat" natural: o palco.

Assim que a notícia da morte do guitarrista e fundador dos Xutos & Pontapés começou a circular, os fãs ficaram em choque.

O músico estava doente há vários meses, mas a situação foi sempre mantida de forma discreta pelo grupo, tendo só sido assumida publicamente em novembro, a propósito do concerto de fim de digressão dos Xutos & Pontapés, no Coliseu de Lisboa.

"Morreu o Zé Pedro".

"Até já, Zé Pedro", escreveu uma fã, ciente da imortalidade do artista.

Após o espectáculo, Zé Pedro foi à boca do palco agradecer ao público que entoava o nome, enquanto os seus colegas de banda aplaudiam. Na altura Zé Pedro morava em Almada, estudava em Agronomia e estudava contrabaixo no Conservatório.

José Pedro Amaro dos Santos Reis nasceu em Lisboa, em 14 de setembro de 1956, numa família de sete irmãos, "com um pai militar, não autoritário, e uma mãe militante-dos-valores-familiares", como recordou num dos capítulos da biografia "Não sou o único" (2007), escrita pela irmã, Helena Reis. Passou depois a chamar-se Xutos & Pontapés, já com a entrada de Kalú e de Tim para o lugar de Paulo Borges.

O primeiro ensaio aconteceu em dezembro de 1978, na Senófila, em Lisboa, e o primeiro concerto realizou-se em 13 de Janeiro de 1979, na sala de Campo de Ourique Alunos de Apolo, em Lisboa.

Mais artigos por

Deixe um comentário sobre o artigo

Ação

O último é de

Outras notícias