Mesmo em queda, MS tem melhor desempenho no PIB no país

Simao Alves
17 Ноября, 2017

Nacional - Em 2015, o PIB brasileiro caiu 3,5% e foi a primeira vez na história que todas as unidades da federação tiveram resultados negativos, segundo o IBGE.

Da mesma forma que a Bahia - que na série histórica iniciada em 2002 só havia sofrido redução de 0,3% em 2009 -, todos os outros estados brasileiros e o Distrito Federal sofreram queda simultaneamente, o que é algo inédito na pesquisa. os dados também mostram a redução de 3,5% do PIB nacional. Os setores de Indústria (-4,4%) e Serviços (-1,6%), no entanto, derrubaram decisivamente a taxa no estado. "O Piauí cresceu muito também porque tinha um PIB muito acanhado e houve um desenvolvimento na agricultura e na indústria muito grande, assim como no comércio", contou. "É um resultado inédito que afeta todos os estados da federação", explicou. "Todas essas atividades tiveram quedas expressivas", acrescenta Frederico. As principais contribuições negativas foram dos setores de indústria (-16,9%) e serviços (-4,1%). Eles foram puxados para baixo, principalmente, pelas atividades de Construção (-17,9%) e de Comércio, manutenção e reparação de veículos automotores e motocicletas (-14,5%).

O Produto Interno Bruto (PIB) da Paraíba ficou na terceira posição no ranking do Nordeste e sétima posição no Brasil, quando observado o crescimento acumulado entre 2010 e 2015. A queda acumulada desde 2002 é de 3,4 pontos percentuais (p.p.), enquanto ganharam espaço Norte (0,7 p.p.), Nordeste (1,1 p.p.), Centro-oeste (1,1 p.p.) e Sul (0,6 p.p.). Junto com o Amazonas, os estados de Alagoas, Distrito Federal e Sergipe também foram os que menos participaram.

A perda do Sudeste aconteceu mesmo com uma leve recuperação de espaço por parte de São Paulo, de 32,2% em 2014 para 32,4% em 2015.

Nos dados divulgados pelo IBGE, indicaram que apenas cinco estados responderam por 64,7% do PIB nacional: São Paulo, com 32,4%; Rio de Janeiro (11%); Minas Gerais (8,7%); Rio Grande do Sul (6,4%); e Paraná (6,3%).

Mais artigos por

Deixe um comentário sobre o artigo

Ação

O último é de

Outras notícias